Catarata

A catarata é a opacificação do cristalino, a lente natural do olho, normalmente clara e transparente, que tem como objetivo focalizar os objetos que vemos. Por diversos motivos o cristalino pode se tornar opacificado, causando a alteração denominada catarata que acomete milhões de pessoas e é a maior causa de cegueira tratável no mundo, podendo ser em um ou ambos os olhos principalmente após os 60 anos .Outras origens para o aparecimento da catarata podem ser : traumáticas, por defeitos metabólicos como a diabetes, a medicamentos como os corticoides , por processos inflamatórios intra-oculares e congênitas.

A catarata não é como alguns pensam uma membrana que cresce sobre a córnea e que é retirada cirurgicamente através de uma raspagem ,isso dá-se o nome de “pterígio”. A única forma de se tratar a catarata é através da cirurgia.Atualmente é utilizada a técnica denominada de facoemulsificação .Erroneamente alguns chamam cirurgia a “laser”. Essa técnica se baseia no princípio do ultra-som. É feita uma incisão de cerca de 3mmm na córnea por onde se introduz uma sonda, e a catarata é quebrada e aspirada ao mesmo tempo. Após a retirada do cristalino opacificado, é colocada uma lente intra-ocular rígida ou dobrável que pode ser de vários materiais, sendo os mais utilizados de acrílico ou silicone para compensar o grau do cristalino normal.A cirurgia é realizada com anestesia local com acompanhamento do anestesista, que controla os sinais vitais do paciente

A decisão de quando operar deve ser tomada em conjunto com o seu médico. No passado havia a necessidade de esperar “amadurecer” a catarata em função da técnica que era utilizada, hoje com as novas técnicas cirúrgicas quando a pessoa começa a não fazer aquilo que gosta e muda a maneira de viver em função das limitações impostas pela baixa da visão provocada pela catarata está na hora de se submeter a cirurgia.

Com as novas técnicas cirúrgicas a recuperação do paciente para retornar as suas atividades diárias normais se tornou mais rápida , não podendo de forma alguma a cirurgia ser “banalizada”, pois mais do que nunca envolve habilidade cirúrgica, instrumentais e materiais de boa qualidade.